terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Pega leve



Subo a escada devagar para sentir nos cascos a quentura da pedra. Uma borboleta pousou no corrimão bem ao meu alcance. Prendi-a pelas asas, mas tremeu tanto que soltei-a. Saiu voando buleversada * como se tivesse ficado cem anos presa. 


Nos meus dedos, o pó prateado. Tão breve tudo. 
Prendi assim a alegria, ainda há pouco foi minha, mas se debateu tanto que abri os dedos antes que a ferisse;  não se pode forçar. 
Um pouco mais que se aperte e não fica só o pó, mas a alma.

Lygia Fagundes Telles


* Buleversada (do verbo buleversar, neologismo criado, e já utilizado por Drummond e Bandeira, a partir do francês bouleverser, que significa bagunçar, perturbar, abalar)


6 comentários:

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

Quanta beleza e ternura!
Próprias, na poesia de Lygia...

Um abraço, Dalva
da Lúcia

Lilá(s) disse...

Um grande abraço

Will disse...

Que delicadeza essa postagem, Dalva.

Sensacional!

Um respeitoso abraço com cores de borboleta para você!

Tucha disse...

Apesar da transitórias a beleza e a alegria sempre ficam um pouco mais na memória e na poesia.

Juliana Lira disse...

Gosto de vim aqui e admirar a beleza...

Feliz ano novo querida!

Milhões de beijos

Juliana Lira disse...

Gosto de vim aqui e admirar a beleza...

Feliz ano novo querida!

Milhões de beijos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

...