terça-feira, 29 de junho de 2010

A espera

,
banco de jardim_02
"Banco de Jardim", fotografia de Dinis Matos Ponteira
.
Ainda um dia hei-de contar-te as espantosas coisas de que me lembro quando fico à tua espera horas e horas, cada vez mais vagarosas, e tu não chegas, meu amor, e tu demoras mais do que a minha paciência.

Quem me dera aquele tempo em que era sempre primavera e assistia indiferente à passagem das horas.
Mas, quando chegas, só me ocorre esquecer tudo e ter-te uma vez mais como quem tem o mundo.
.
Torquato da Luz

.

4 comentários:

Tucha disse...

Romantica hj. Gostei, o amor sempre nos transforma.

Chica disse...

A espera vale a pena quando acaba!beijos,chica

Jota Sena disse...

Olá Dalva bom dia!

Belíssima foto com este banco...E mais! Lendo estes versos,faz com que muitos se recordem dos bons tempos vividos na juventude e até mesmo muitos eternos casais apaixonados que apesar de muitos anos juntos gostavam de ficar ali sentados esperando o tempo por eles passar... E ao verem está, com certeza,recordaram com saudades aqueles bons tempos que não voltam mais.

Abraço e até +.

Juliana Lira disse...

Poxa Dalva!

Me feza chorar...que lindo texto, como é triste a espera e como é bonita a demonstração de sentimentos de um poeta.
me sinto mergulhar num mar de emoções.

milhões de beijos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

...