terça-feira, 14 de abril de 2009

Imensidão e beleza

.
.
"Diego não conhecia o mar. O pai, Santiago Kovadloff, levou-o para que descobrisse o mar. Viajaram para o Sul. Ele, o mar, estava do outro lado das dunas altas, esperando.
Quando o menino e o pai enfim alcançaram aquelas alturas de areia, depois de muito caminhar, o mar estava na frente de seus olhos.
E foi tanta a imensidão do mar, e tanto seu fulgor, que o menino ficou mudo de beleza.
E quando finalmente conseguiu falar, tremendo, gaguejando, pediu ao pai:
- Me ajuda a olhar!"
.
Eduardo Galeano
in "O Livro dos Abraços"
.

2 comentários:

Isabel José António disse...

Querida Amiga,

Lindos o texto e a foto.

Apetece-me comentar assim:

Quando você se encontra diante de algo, que representa o infinito (uma paisagem a perder de vista no alto duma montanha, o mar sem fim, um céu com estrelas numa noite de luar, etc.), está olhando para algo tão grande, que o seu pequeno ego perde a importância no processo. Está considerando a ETERNIDADE, e a sua vidinha é apenas um parentesis nessa eternidade.

Muitos parabéns.

Um grande abraço

José António

Dalva disse...

José Antonio,

Diante da majestade da Criação e do imenso amor de Deus cabe-nos apenas a humilde adoração!

Grata por teu carinho e comentário!

Grande abraço!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

...